terça-feira, 8 de abril de 2014

Amiga e Madrinha..Manuela.



Não repouses

Não repouses no meu leito de outono
As folhas ainda não teceram o colchão,
o orvalho não pintou as almofadas
com as cores das alvoradas

Deixa  a lua viajar
com o tempo que me anoitece
entre fios leitosos de luar
A vida é já aqui
Quero vivê-la com os sonhos que teci,
passear os olhos pelos vincos do tempo
ausente das orquídeas formosas
e esquecer o murmúrio na pele lavada de rosas
Quero afagar o bordado no linho
que cresce nos campos com cores de menino,
nos baloiços de água em searas azuis.
Aqui entrego este corpo que guarda e envolve
este eu que sou e não sou.

Quero o murmúrio do colo do rio
Fala-me das cantigas que ouvia no Estio
Quero acompanhar o pólen das flores
em  laranjeiras acesas
com a dança das abelhas
Deixa que o fado cante a alegria deste exílio
que o tempo traçou na falésia da vida
Só há fado se o destino o marcou

Eu quero o sonho na flauta de um silêncio
quero o silêncio no esplendor das marés
quero as marés na galáxia da vida
nas nuvens em montanhas coloridas
quero o fluido silencioso do mel
nesta viagem 

Deixo a amargura e o fel
numa outra carruagem.

Manuela Barroso, in "Eu Poético VI"

3 comentários:

manuela barroso disse...

Minha querida comadre Evanir, muito obrigada mais uma vez pelo seu carinho . Sinto - me sem palavras perante tão grande ternura . Esta casa esta a ficar cada vez mais harmoniosa !muitos beijinhos e bom f de semana

Gisele Ribeiro disse...

Amei seu cantinho... ótima semana flor.
Beijinhos

Jeito de Ser Você

manuela barroso disse...

Um lindo e repousante domingo Evanir.
Que a semana que começa seja plena de encantos
Beijinho grande