domingo, 28 de setembro de 2014

São coisas que eu sei do cotidiano:

São coisas que eu sei:
É bonito o amanhecer
Com os raios de sol
A desenhar formas em nossas manhãs
Mas nem sempre há beleza no cotidiano
A vida real é bela, mas dura
A felicidade não perdura
Saber aproveita-la é lição

São coisas que eu sei:
Há sempre uma dor a sentir
Uma fome a matar
Um problema a resolver
Um pedinte na esquina
Um errante a cumprir sua sina

São coisas que eu sei:
Há poesia, brilho nos olhos, afeição
Há transtornos, filas, amolação
Há flores, há espinhos
Há dores, há carinhos
Há sempre amor a sentir

São coisas que eu sei:
Ante a dureza do cotidiano
Temos que prestar a atenção
Devemos vivê-lo...senti-lo
Mas deixar de sonhar jamais
Pois o sonho é feito de viva emoção
Denise Severgnini

3 comentários:

emanuel moura disse...

Quem nos dera que cada dia que passe-se o amor reina-se simplesmente no coraçao de cada um de nos ,seria a eterna felicidade do nosso coraçao ,muitos beijinhos .

DIAS DESIGUAIS
(Jairo Nunes Bezerra)

Os dias regressaram diferentes,
Raras chuvas e excesso de calor...
A tristeza encontra abrigo na gente,
E sem amparo vai-se o amor!

Vegeto pelas ruas da cidade,
Fantasias se afastam de meu momento...
Adeus à felicidade,
Adeus a entretenimento!

Quisera que voltássemos àquele tempo,
Feliz, sem contratempo,
Aonde o nosso amor reinava!

O espaço era alimentado por esperança,
Sei disso desde criança,
Quando inocente meu coração saltitava!

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Evanir
Um poema postado que nos deixa uma bela mensagem de amor e força de vontade: sonhar é isso também!
Bjm florido e ótima semana!

Celia Regina Santos disse...

Olá, Evanir!!!
Lindo poema!!!
Viver ê preciso, faz parte da nossa caminhada.
Que seja então com sabedoria e amor!!!
Beijokas,Rê!!!!