sexta-feira, 27 de março de 2015



Este é um poema de amor 
tão meigo, tão terno, tão teu... 

É uma oferenda aos teus momentos 
de luta e de brisa e de céu... 

E eu, 
quero te servir a poesia 
numa concha azul do mar 
ou numa cesta de flores do campo. 

Talvez tu possas entender o meu amor. 
Mas se isso não acontecer, 
não importa. 

Já está declarado e estampado 
nas linhas e entrelinhas 
deste pequeno poema, 
o verso; 
o tão famoso e inesperado verso que 
te deixará pasmo, surpreso, perplexo... 
eu te amo, perdoa-me, eu te amo... 

"Poeminha Amoroso"
Cora Coralina

2 comentários:

Portugalredecouvertes disse...


Que palavras tão fofinhas!

adorei:)

vou tentar encontrar mais informação sobre o autor do poema

abracinhos
Angela

emanuel moura disse...

Um lindo poema ,amor que o ser humano tanto precisa no seu coraçao querida afilhada,muitos beijinhos.

Amor é um Fogo que Arde sem se Ver
Amor é um fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói, e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se e contente;
É um cuidar que ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luís Vaz de Camões, in "Sonetos"